Verdadeira Ventura

Desditosa é lascívia ventura
De somenos segundos prazerosos
Que ao cabo trazem tanta amargura
E me põem os olhos assim chuvosos

Tão reles, vil e efêmera paixão
Em que me encontro por tua beleza
Limita-se a ser cruel ilusão
Que muito dista da nobre pureza

E diante de tão atroz estupor
Ávido estou por verdadeiro amor
Desses que sequer a morte põe fim

Desses que peço ao bondoso querubim
Porque nunca haverá de se esgotar
Sentimento que na alma se instalar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *