Um dono de bar qualquer

Bom, tudo começa em Copacabana, no Rio de Janeiro. Bem lá nas vielas de Copacabana, existe uma família que é composta por três pessoas, seguindo o padrão do Brasil. Temos o casal: Gérson Pereira Leite, Júlia Reis e também o filho Arthur Pereira.

Gérson conheceu Júlia em uma esquina perto de seu bar. Até tinha esquecido de mencionar, ele é dono de um bar pequeno na rua principal de Copacabana, e Júlia era garota de programa, sei que não é uma profissão muito boa, mas era assim que eles viviam. Gérson a conheceu alguns anos atrás, quando estava indo embora para casa, depois de um dia cansativo de trabalho. Era tarde da noite quando ele a viu caída no chão, molhada de bebidas, e resolveu ajudá-la, levando-a para casa. Na manhã seguinte, Júlia viu o ato que seu futuro esposo tinha acabado de fazer e, em poucos segundos, acabou se apaixonando pelo tal homem. Ela se declarou para ele naquele mesmo instante que tinha acabado de acordar e, coincidentemente, a gravidez veio um tempo depois. E foi assim que a história dos nossos queridos começou, após uma bela madrugada de vários acontecimentos.

Passadas algumas semanas do acontecimento, Gérson começou a apresentar comportamentos estranhos. Começou a chegar bêbado em casa, e a brigar com Júlia, que não estava gostando nada disso, mas quem gostaria, não é mesmo?

Após se passarem alguns meses de sofrimento, Gérson chegou em casa muito alterado, mais alterado de que tinha ficado nesse período de tempo e veio a violentar Júlia. Ela foi levada ao hospital depois de uma denúncia anônima devido aos gritos e berros vindo da casa de Gérson. Júlia chegou ao hospital em estado grave, muito machucada por conta dos ferimentos causados por Gérson, e logo foi encaminhada para a sala de cirurgia por causa de um ferimento no rosto dela.

Foi um período de tempo muito curto, mas suficiente para fazer Júlia desistir da sua vida com o dono de bar, acabando assim por sair da vida dele. Após sair do hospital, com sucesso de sua cirurgia, Júlia apareceu em casa enquanto Gérson não estava, fez suas malas e foi embora para Minas Gerais, onde sua família estava de braços abertos para acolhê-la, e foi lá que ela teve seu tão esperado filho, “Arthur” que crescia sem a presença do pai.

Após se passarem três anos, Gérson começa sua saga para reencontrar Arthur, todo dia tentando comunicações com Júlia. Ele, então, liga para o telefone dela:

– Júlia, é o Gérson, eu me arrependi do que eu fiz, me deixa ver o Arthur e voltar pra você, eu não sou nada sem vocês…

– Gérson, você não vai ver o Arthur, pois você não fez o papel de pai, e além do mais, estou comprometida novamente, mas dessa vez, com um homem de verdade.

Sem dar chance de resposta, ela desliga o telefone.

Após tais acontecimentos, Gérson se sente humilhado e decide fazer o terrível ato.

Gérson sem pensar duas vezes, amarra uma corda no teto na qual tem um “laço”, ele se pendura nela e acaba falecendo, ele acaba de cometer suicídio, mas deixa uma carta para seu filho antes:

O meu filho é a minha razão de viver, é o motivo que eu encontro todos os dias para levantar da cama e enfrentar a vida. Esse amor me faz mais forte e me ensina a ser um ser homem, mas a dor foi mais profunda, eu me arrependo por todos os meus atos, e agora eu descanso”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *