Pandemia e saúde emocional

Ansiedade, medo, tensão, incerteza e apreensão são alguns dos sentimentos vividos por muitas das pessoas, principalmente, neste atual período de pandemia. O isolamento social se apresenta como um fator agravante em meio a isso tudo. Bem já dizia Aristóteles, “O homem é um animal político”. Esse pensamento nunca fez tanto sentido quanto agora. A partir do estabelecimento de uma relação entre ele e a realidade que está sendo vivida é natural a compreensão de que a vida em comunidade é necessária para que o humano possa usufruir da plenitude de sua existência.

O atual momento é extremamente atípico. A partir disso, é possível notar que o enfrentamento a ele é algo dificultoso em vários âmbitos. O âmbito psicoemocional é um exemplo. O isolamento junto às inúmeras informações relacionadas ao Coronavírus (na maior parte das vezes desanimadoras) jorradas pelos meios de comunicação a todo instante promovem uma imensa confusão na mente de muitas pessoas. O distanciamento de pessoas com as quais existem determinados elos afetivos é mais um agravante que influencia diretamente nessa “confusão mental”.  Confusão estimulada pela reprodução de pensamentos danosos à integridade emocional e psicológica, que podem acabar resultando em situações indesejáveis por parte de todos aqueles buscam viver de modo equilibrado no que diz respeito às suas vidas emocionais.

O ócio, em algumas ocasiões, ligado aos fatores já citados anteriormente também pode ser prejudicial à saúde psicoemocional. As “inatividades” mental e física podem acabar dando espaço ao alastramento de concepções e pensamentos destrutivos e degradantes aos indivíduos que os produzem e os enfrentam. Permanecer ocioso pode ser para muitos como abrir uma porta para a criação de ideias mal formuladas, que muitas vezes nem condizem com a realidade, mas mesmo assim acabam sendo prejudiciais ao estado psicoemocional de qualquer ser humano. Não faltam situações e fatos para serem utilizados como “matéria-prima” na produção de pensamentos que sejam desgastantes à vida de seus criadores. A poluição, causada pelo tráfego de tantas coisas ruins, é situação oportuna para a difusão de convicções muitas vezes irreais e penosas à vida de determinados indivíduos, já que, por exemplo, podem desencadear até em problemas como ansiedade e depressão em alguns casos.

Diante de tantos aspectos favoráveis ao estabelecimento de problemas emocionais, é fundamental tomar posição para tentar freá-los de algum modo. Obviamente, não é simples, somente as pessoas que enfrentam tais situações são capazes de mensurar o quão complicadas são. Entretanto, mesmo não sendo fácil, é necessário ao menos tentar agir. Estabelecer rotinas, criar bons hábitos, investir tempo coisas diferentes, utilizar a tecnologia para se manter próximo ao círculos sociais e não ficar ligado demais às notícias ruins que são difundidas 24 horas por dia podem ser boas alternativas. De modo geral, tentar ocupar a mente e o tempo com coisas que sejam benéficas e favoráveis ao corpo e à mente.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *