Pai: figura MASCULINA!

Antes de tudo, vamos às definições de pai que constam no Google, quando se digita na barra de pesquisa “definição de pai”, no presente momento da data de escrita desse texto. Seguem as definições da Oxford Languages:

  1. homem que gerou um ou mais filhos; genitor, progenitor.
  2. homem em relação aos seus filhos, naturais ou adotivos.

Essas são as duas primeiras definições que aparecem no Google quando a pesquisa é efetuada. E o que elas têm em comum? Ambas possuem a palavra homem!

Recentemente, uma empresa de cosméticos lançou uma determinada campanha de publicidade para o dia dos pais com a participação de um transexual, como um dos influenciadores dela, sendo um “pai” dentre os demais contidos na campanha. Como esperado, a notícia da participação desse indivíduo na campanha repercutiu e, consequentemente, gerou inúmeras polêmicas.

Obviamente, ser pai é muito mais do que apenas gerar um filho(a), ser pai é estar presente, é cuidar, amar, acompanhar, educar, etc… Mas, dentro dos moldes tradicionais e históricos da sociedade brasileira para poder ser pai, além de possuir todas as características citadas, é necessário ser um homem. Quando se pensa em paternidade, automaticamente, as associações feitas são diretamente relacionadas à figura masculina. E é justamente isso, não é questão de machismo, ou de homofobia, ou de simples ignorância. É questão de respeitar o que é convencional.

Os pais, como todos, são seres passivos de erros e falhas. Porém, mesmo assim, na maior parte das vezes, são as primeiras pessoas, juntamente das mães, nas quais seus filhos buscam se espelhar. É completamente absurdo associar a imagem de um pai a uma pessoa que até o momento não é exemplo de nada em termos morais. É escandaloso para um país no qual parte majoritária de sua população é conservadora, que a figura paterna seja distorcida e desrespeitada de tal modo ao ser representada por uma pessoa que nasceu como uma mulher.

O fato de utilizar hormônios, e de moldar o corpo de modo que ele possua estrutura similar a de um homem não altera o sexo de uma pessoa. Sendo assim, independentemente de quaisquer alterações físicas que sejam feitas, o indivíduo continua com o seu sexo original. A genitália, a produção hormonal, e inúmeras outras características não podem ser alteradas, pois são NATURAIS das pessoas. Por essa razão, é impossível que a figura de um pai seja expressada por alguém que não possui a característica mais óbvia e simples para a expressar: ser um ser humano do sexo masculino.

Se alguém deseja ser homem, mulher, gay, lésbica, transexual, travesti, bissexual, ou qualquer coisa do tipo; que seja! Mas querer distorcer a imagem e a realidade da família tradicional brasileira por meio de personagens opostos a ela é inadmissível. Pai é homem! O resto… É balela!!!! TEMOS QUE RESPEITAR E REVERENCIAR O QUE É MORAL E NATURAL. E NATURAL É O PAI SER UM HUMANO DO SEXO MASCULINO E A MÃE, DO SEXO FEMININO. Se alguém deseja constituir família fora das estruturas tradicionais, se acha correto, que assim faça. Mas representar a família com imagens que extrapolam o padrão é um tanto inadequado, pois desrespeita uma sociedade que, como já dito anteriormente, é majoritariamente conservadora e tradicional.

Provavelmente, grande parte das pessoas que vão ler esse texto irá discordar das ideias contidas nele ou possuir argumentos contrários aos que estão sendo expressos. Justamente por isso, não escrevo por aceitação, escrevo para expressar minha opinião seja lá qual for o assunto ou a circunstância.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *