O mundo autista

Sabe quando o calor em um ambiente superlotado é insuportável? Ou quando seu vizinho ouve música alta durante a noite e você se sente incomodado porque quer dormir? Ou até mesmo quando você está ansioso por um evento próximo e fica inquieto? Um autista sente essas coisas praticamente o tempo todo, em qualquer ambiente ou a qualquer hora.
Autismo ou Transtorno do Espectro Autista – TEA é um distúrbio neurológico que, muitas vezes, compromete habilidades de comunicação, relacionamento social, funcionamento cognitivo, processamento sensorial e comportamento, dependendo do grau do transtorno que não deve ser tratado como doença… mesmo que as pessoas não entendam isso.
Os portadores desse transtorno possuem dificuldade ao ouvir sons altos e são muito sensíveis, conseguindo perceber sons que não conseguimos ouvir ou aos quais não damos importância. Muitas vezes, eles resistem aos métodos tradicionais de ensino, possuem uma certa ausência de medo de perigos reais e apresentam medo de coisas que, aos nossos olhos, são insignificantes. Mas o que mais afeta as crianças, os jovens e os adultos que portam esse distúrbio é a dificuldade de se comunicar e interagir com outras pessoas. O que na maioria das vezes as isola do mundo, o que com certeza não é saudável nem para o portador, nem para as pessoas que o cercam.
O diagnóstico desse distúrbio pode demorar e, geralmente, acontece após algum tempo que as crianças ingressam na escola. Além de tudo isso, a aceitação dos familiares, colegas e profissionais que lidam com pessoas diagnosticadas com TEA é bastante turbulenta, o que aumenta as diversas dificuldades com que o portador é obrigado a lidar.
O Ministério da Saúde parece não se importar nem com dados nem com o tratamento dessas pessoas, já que a última ESTIMATIVA foi feita  no ano de 2007 e os números já assustavam! Cerca de uma pessoa a cada 190 habitantes possui a síndrome, de acordo com a pesquisa feita pela Universidade de São Paulo (USP).
Infelizmente, o número de casos desse distúrbio aumenta a cada ano e não possui assistência adequada, o que impossibilita os portadores de viverem normalmente. Mas a rejeição é o pior o problema, mesmo que os dados sejam antigos e os números assustadores, a negação sobre essas pessoas é terrível, sendo que a sensibilidade que elas possuem têm a capacidade impressionante de nos cativar, e nos mostrar que as limitações são apenas barreiras impostas pelas próprias pessoas.

Curiosidade: Lionel Messi é autista, alguns acreditam que a capacidade de memorizar e perceber movimentos, apesar do grau leve de Autismo que possui, pode ter contribuído para que aprimorasse sua forma de jogar futebol e assim fosse reconhecido como o melhor jogador do mundo pela quinta vez.

 

(Foto de Lionel Messi. Fonte:google).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *