Mui breves e saudosos instantes

Mui breves e saudosos instantes
Do tempo em que éramos amantes
Recordam-me do teu corpo tão quente
Do teu ósculo deveras ardente

Mui suave e calma melodia
Do tempo em que tudo era magia
Recorda-me do teu doce encanto
Que curava até ruidoso pranto

Mui iníquo e doloroso fado
Da presença à gélida ausência
Era este a que estava então destinado

Mas o teu tão marcante e puro amor
Que me tornou mui maviosa a essência
Hei de carregar sempre com louvor

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *