Moça

Moça, tu és brasa que arde
Sem fazer alarde
Chama que se alastra bem quente
E me faz tão contente

Moça, tu és ladra esperta
Que meu amor desperta
Assalta-me o coração
E mata-me a razão

Moça, tu és também neve
Que cai breve e leve
Congela-me o olhar
Simplesmente com teu passar

Moça, tu és também honesta
Não vive à fresta
Mostra-se sempre bela
Inteira à janela

Moça, tu és meu maior sonho
Aquele que me põe risonho
E ao acordar, pranto me faz derramar
Ah, se os sonhos pudessem se realizar…

Tudo seria como magia
Que sai de tão simples poesia
Para meu mundo encantar
Ah moça, como é bom te amar!

1 comentário em “Moça”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *