] insira o título aqui XI [

Acreditaria em mim se dissesse que seu corpo não se trata apenas de carne e osso, mas sim da mais complexa constelação? Acredito que não. As teorias não surgem com objetivo de serem compreendidas “na lata”, mas sim a partir do momento que as explica. Assim sendo, irei explicar a afirmação que acabo por entregar.
Logo de início, precisamos de uma lista de componentes de um corpo e, no geral, podemos anotar num caderninho imaginário todas as peças de seu corpo físico, seu cérebro e tudo pelo qual a voz interior que você escuta agora enquanto lê, é responsável. Depois disso, só o que peço é que me diga, com absoluta certeza, que a única coisa que as pessoas veem ao olhar para você é um corpo de carne e osso. Se conseguir dizer isso, espero que seja capaz de justificar-se, pois, particularmente, nunca conseguiria.
Quando me olho no espelho (e tente ver tudo isso como se tais palavras fossem suas) vejo tudo que meu corpo pode expor e muito além disso. A voz esquisita que vive em minha cabeça permanece em atividade, minhas emoções transparecem em meus olhos e as sensações que vêm de dentro pra fora e vice-versa se manifestam. Isso quer dizer, portanto, que sou composta de algo além de pele e dessas coisas que ficam dentro de mim.
Assumo, portanto, que as pessoas enxergam em mim o que eu mesma vejo, porém com seus olhos e com sua própria voz. O que se pode chamar de personalidade, humor ou até aura, chamo de constelação. O porquê é justamente o ponto no qual quero chegar.
Cada lapso de emoção faz surgir uma estrela ao meu redor, visível a qualquer um, compreendida pela minoria. Cada traço de curiosidade me leva a uma nova descoberta e cada descoberta me leva à felicidade. A felicidade faz surgir uma nova estrela. Cada traço de minha personalidade que construí no decorrer de uma vida fez do que costumo ser hoje minha constelação particular.
Nós temos jeitos diferentes de ver as coisas, tenho absoluta certeza, a diferença é que, na mais inofensiva das intenções, quero compartilhar a beleza de imaginar ou de se acreditar que você pode se ver da forma que bem quiser, isso é bem bonito, não é?
Gostaria que todos, ao menos uma vez, tentassem escrever sobre si mesmos. Tentar nomear, assim como tentei fazer, sua própria pessoa. Você a única coisa da qual você nunca vai poder se separar porque você é a coisa mais sua que vai ter na vida. Mostrar algo tão pessoal para o mundo parece assustador, eu sei, mas quando se organiza o próprio eu em qualquer demonstração de arte, deixa de parecer vulnerável ao mundo e passa a ser um terra inexplorada a si. Não se permita ser um livro aberto para o mundo e um mistério pra você.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *