] insira o título aqui IX [

Sobre as escadas dançantes permanece imerso em dor.

Sob as escadas falantes o mesmo se encontra em labor.

Sob os frios degraus de um móvel constante, permanece a sensação nauseante.

Sob mentiras submersas e verdades doloridas.

 

Entre os espinhos de uma falsa paixão, algo permanece em solidão.

Entre tantos dizeres vive em desalento.

Entre tantas alegrias, tantos cantares, transborda em si.

E sempre ignora, o que bate porta afora.

 

Já antes pensante.

Já antes dançante. Já antes por um instante.

Já que antes é o agora.

Já que o agora é o depois.

 

Ah! É impossível compreender a complexidade de dois.

Ah sim! É inviável saber o quão abstrato é o sofrer.

Ah! É praticamente impossível, o que lhes escrevo compreender.

 

!Apenas seja, é o que tenho a dizer!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *