] insira o título aqui II [

Quantas vezes algo não passou despercebido pelos seus olhos? Talvez nenhuma. Talvez milhares. É difícil dizer que o ser humano percebe tudo ao seu redor. Pode ser que ele não perceba que o oceano não tem apenas uma cor, ou que as nuvens não são apenas brancas. Em algumas manhãs, o céu é laranja e o sol não passa de um ponto branco que cega até o mais jovem dos pássaros.
As folhas de uma seringueira assemelham-se com as veias do nosso corpo. Seriamos nós feitos com os veios de uma folha de seringueira? Pode ser que sim. Pode ser que não. E na verdade, se sim ou não, não importa. O que realmente importa é se estamos respirando. Podemos estar mortos e respirando, e podemos estar vivos.
Respirar é liberdade. Respirar sem dificuldades, com a mente limpa, é a verdadeira liberdade. Alguém com câncer nos pulmões pode respirar com mais facilidade que um aluno do fundamental apaixonado pela melhor amiga. E a melhor amiga pode respirar ainda pior, porque carrega no peito a dor de não conseguir corresponder ao amor.
Incapaz de voar, um pássaro é abandonado pela sua mãe, por outro lado, uma tartaruga nunca conhece a sua. É verdade, nós não sentimos falta do que nunca tivemos. O pássaro sofre, a tartaruga não. Um canário não anseia em sair da gaiola se ainda é capaz de cantar, porque essa é a sua liberdade. No final, é tudo sobre isso: liberdade.
Precisamos ter liberdade para sentir, chorar, sorrir e escrever. Se as palavras ficam presas, os padrões começam a se formar, e não há nada mais triste que os padrões ditados pelas trevas em nossos corações. É preciso liberdade para ver as cores, sentir sabores, e distinguir se o oceano é azul ou verde.
Palavras desconexas são escritas em um ato rebelde de liberdade. É estranho e maravilhoso. Rude e gentil. Como uma brisa de verão, as palavras vêm e trazem o frescor da primavera, misturada com as cores do outono e a beleza do inverno. O ser humano é liberdade, não podemos defini-los, pois, defini-los é limita-los. Se você define o ser humano, você o limita.

3 comentários em “] insira o título aqui II [”

  1. “O amor é um suicídio lento”. Adorei a temática do “insira o título aqui” é uma coisa prática que podem colocar diferentes coisas na mesma série de textos. Amei

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *