Escrito depois

Uma imensidão, o universo vai girando, nossa cabeça rodando, o corpo tentando acompanhar o ritmo, se é que existe um. Os passos vão de largos e pesados para leves e pequenos; chego a flutuar. Meus dedos se movem em um só tom, as mechas de cabelo vão dançando no ar.
Piscar virou arte. Sorrir, sedução. Respirar, liberdade. Luzes são acionadas, fogos detonados, fumaças inaladas, batidas estrondosas, melodias memoráveis, o infinito será alcançado!
O coração chega a parar, a pressão propulsar, os músculos me pedem socorro, mas sempre gostei da tortura. A roupa gruda ao corpo, pular virou voar, lágrimas caem no rosto e se misturam com toda adrenalina que sou capaz de manear. Vejo ao meu redor pessoas monótonas, não me interessam. Será mesmo?
Não poderei lhe dizer onde estou, ou o que sinto, até porque nem sei dizer se existo. Apenas viva com a minha imagem que a tornarei inesquecível. Sinta saudade ou até mesmo falta, pois ficará marcado!
Olhe para frente e verá as estrelas enfurecidas, junto com a escuridão ou até mesmo com a sua cor favorita. E lá estará meu fim recendendo seu olhar e aniquilando sua própria esperança de que um dia eu poderia continuar a alucinar com essa coisa de te amar.
P.S.: Nem sei o que é amar.

1 comentário em “Escrito depois”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *