Começar, persistir e conquistar

É comum no início dos anos estabelecermos metas, definirmos pontos a serem melhorados, coisas a serem mudadas e hábitos a serem revistos. Mas, com o passar do tempo, notamos que a maior parte de todo o planejado acabou se tornando um fiasco, pois nós acabamos não sendo capazes de cumprir com o que nos propusemos.

Podemos pensar: “Agora é tarde, já fracassei em tudo que propus a mim mesmo. Ano que vem preciso ser diferente”. Para não generalizarmos as situações, vamos entender primeiramente o porquê de sempre querermos estabelecer datas iniciais para tudo. Com certeza, já pensamos ou falamos o famoso: “Por que deixar pra amanhã o que eu posso fazer depois de amanhã”. Ops… Frase errada… Acho que o correto seria: “Por que deixar pra amanhã o que eu posso fazer hoje”. Talvez esse seja um dos clichês mais comuns de serem ouvidos, mas se formos contextualizá-lo às nossas vidas e aos nossos cotidianos encontramos uma verdade muito bem dita. 

Muitas vezes, nós temos totais condições de alcançarmos nossas metas, seja de modo parcial ou total, mas teimamos no estabelecimento de datas iniciais que nunca se iniciam. Esse hábito de “jogar pra frente” o que pode ser feito na hora acaba se tornando um estimulante ao ócio e à estabilização, pois assim ficamos estagnados e não evoluímos conforme o planejado. Se formos fazer uma metáfora para essa estagnação, acho que o ideal seria “um comodismo totalmente incômodo”, afinal, estar no comodismo é confortável, mas não evoluir é um fator que incomoda e é desconfortável. Sendo assim, a inércia da realização dos nossos planos é exclusivamente nossa culpa, pois falta atitude para darmos o primeiro passo e insistirmos neles mesmo diante dos impasses e dificuldades que se configuram durante nosso dia a dia.

Diante de tudo que foi apresentado até agora, podemos enxergar claramente que o primordial para atingirmos nossos objetivos é simplesmente começarmos a buscá-los assim que forem planejados. De que adianta termos ótimas ideias se elas não saem da teoria? E o segundo ponto mais importante é a persistência. Obstáculos aparecerão, o ânimo poderá se esvair, as circunstâncias poderão ser desfavoráveis, mas mesmo em meio a tudo isso devemos persistir no que buscamos. A desistência é opção apenas caso as coisas fujam do controle e acabem causando transtornos que nos prejudiquem de maneira muito grande. Caso contrário, essa opção deve ser descartada e colocada em último plano, pois a chave da realização dos nossos sonhos é justamente persistirmos neles para que os mesmos tenham chances de serem concretizados e conquistados.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *