CINE DEBATE – RESENHA SOBRE O FILME A CHEGADA

“A chegada”, cuja trama é baseada no livro The Story of Your Life, de Ted Chiang, narra a jornada da Linguista Louise Banks e do físico Ian Donnely na tentativa de se comunicarem com uma espécie alienígena desconhecida que, aterrissando 12 conchas em diferentes pontos da terra, causa grande alerta na população. Como esperado, membros da segurança nacional americana (CIA), visando à resolução da situação, unem-se aos demais países-sede do pouso das naves para que se desenvolva algum tipo de reação ou acordo entre a Terra e os viajantes desconhecidos – por isso a necessidade dos dois especialistas.
Por mais complexo que seja o aprender e traduzir de uma língua, Louise e Ian dispõem de pouco tempo, sendo exigidas respostas imediatas de seus superiores. No decifrar do dialeto heptapode – nome dado aos alienígenas – a protagonista vivencia experiências que envolvem algo muito além de seu presente, e dedica-se totalmente a decifrar, traduzir e manipular essa forma de comunicação. Em tal ponto da trama, o expectador desenvolve uma percepção do tempo completamente diferente, o que é exigido pelo filme já que temos flashbacks e flashforwards associados às “memórias” de Louise.
Pontos como a linguagem em si, a relação entre homem e tempo, a virtualização das relações humanas na contemporaneidade e a interferência da mídia na interpretação são mensagens sinalizadas ao público espectador e promovem o questionamento próprio e humanitário. “A chegada” é inesgotável de assuntos e possíveis discussões, o que foi pontuado no último Vídeo-Debate (29/11), projeto que tem buscado ir além das produções cinematográficas hollywoodianas utilizando como ferramenta o debate e desenvolvendo um olhar crítico e seletivo quanto às mensagens que os mesmos transmitem. Todos os filmes, assim como “A chegada”, merecem ser bem aproveitados e discutidos, pois nem sempre todas as camadas são vistas. Concluindo, deixo uma citação de Carl Sagan que, essencialmente, remete ao tema da produção:
“Diante da vastidão do tempo e da imensidão do universo, é um imenso prazer para mim dividir um planeta e uma época com você.”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *