Carta a uma sociedade fascista e supremacista

Caro leitor,

Se você me acompanha, sabe que em todos os textos que escrevo nessa série, tento deixar minhas críticas em relação a ambos os lados, direita e esquerda; mas, hoje isso seria uma comparação injusta. Um dia em que tivemos grupos liderados por uma neonazista declarada indo fazer “manifestação” (lê-se terrorismo) com máscaras brancas e tochas nas mãos (parece que isso me lembra alguma coisa), pedindo o fim de uma instituição democrática. Nesse mesmo dia, um grupo de hackers indica ligação de grupos da extrema-direita de todo o mundo ao tráfico de pessoas. Ainda hoje, diversas manifestações contra o fascismo ocorreram em vários lugares do mundo, com a principal pauta a defesa da igualdade racial e o fim de grupos supremacistas. E curiosamente, houve “manifestantes” do outro lado com armas brancas acusando os manifestantes antifascistas de serem os fascistas (sim, as mesmas pessoas que apoiaram o ato terrorista da neonazista) enquanto ameaçavam os manifestantes; isso soaria cômico, se não fosse trágico.

Acho que minha opinião sobre a extrema-direita e grupos fascistas ficaram bem expostos nesse texto, e assim espero. Não podemos permitir que o fascismo novamente impere; o Varguismo e o Militarismo devem ficar no passado, não podemos permitir autoritarismo e fascismo, por isso, mais do que nunca, se faz necessário que TODOS unam forças contra um inimigo maior.

Nunca imaginei que veria grupos supremacistas saindo à luz do dia, para ironizar e suprimir os esforços daqueles que pedem por igualdade. Pois é, voltamos ao século XIX, e aparentemente, estamos vivendo nos Estados Confederados, em que a supremacia é bem vista, e o diferente deve ser mantido sob a opressão, quem sabe até “continuarem a ser escravos”, como disse o Presidente a um dos deputados que compõem sua base governista.

Não podemos tolerar que, em pleno século XXI, pessoas sejam mortas por causa da cor da sua pele, mas, infelizmente, é isso que estamos vendo. A cada 23 minutos, um negro morre vítima do racismo no Brasil. Vivemos em uma sociedade em que policiais fuzilam pessoas com guarda-chuva, com a desculpa de terem achado que era uma arma (isso mesmo, acharam que o guarda-chuva era uma arma); um país em que crianças morrem enquanto estavam indo para a escola (Marcos Vinícius, pouco antes de morrer, pergunta para sua mãe: “Mãe, eles não viram que eu estava de uniforme?”), ou então são mortas dentro de casa, sem poderem se defender, simplesmente porque acharam que poderia ser um bandido.

Até quando vamos continuar tolerando isso? Eu me recuso a aceitar isso como algo normal, eu me recuso a simplesmente deixar passar. Era pra todos estarem seguros, em casa, sem manifestações, mas não dava mais para esperar, enquanto isso o genocídio racial acontece. Não dava mais para tolerar ideias eugenistas. Não podemos mais. O João Pedro foi assassinado, George Floyd foi assassinado, tantos outros foram assassinados, vamos esperar até ser alguém próximo a nós, ou vamos agir agora? Confesso que me emocionei enquanto via as notícias sobre os protestos de hoje e, novamente, ao escrever esse texto, porque não consigo entender como pessoas se acham superiores e no direito de subjugar pessoas devido a sua cor de pele. A democracia está em colapso, a sociedade está em colapso, e diante disso tudo, vejo que viemos fracassando desde sempre, ao permitir que isso aconteça; agora, esses decidiram escancarar seu ódio e teorias eugenistas.

#BlackLivesMatter

#NazismNeverAgain

Atenciosamente, um mero escritor sem perspectiva de futuro, com medo do que pode acontecer no país nos próximos dias, vulgo, eu.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *