Autonomia ameaçada

É mais que comum ouvirmos de pessoas mais experientes que atualmente as coisas são fáceis e que tudo “está na mão” sem esforço algum. Eles têm certa razão com relação a isso. A praticidade que temos hoje, principalmente por ocasião do desenvolvimento da tecnologia, acabou facilitando diversos processos. Não só em nossas vidas, mas no mundo como um todo, em diversas áreas.

O fato de muitas coisas estarem mais simples de serem realizadas acaba acomodando alguns de nós e, por essa razão ,quando algo exige um mínimo de esforço para ser realizado, acabamos colocando-o de lado e damos prioridade a outras coisas que se mostram menos trabalhosas. Apesar de todo o avanço tecnológico extremamente acelerado que vem revolucionando o mundo desde a década de 1970 com a chamada Revolução Tecnocientífica, ainda existem muitas coisas que dependem parcialmente ou totalmente de nós para serem feitas.

Acredito que limite seja uma palavra insignificante quando aplicada ao contexto da tecnologia. A todo instante surgem novas máquinas capazes de realizarem em períodos curtos de tempo atividades que manualmente demoram períodos maiores para serem feitas. Mas, a partir disso tudo, é fundamental ressaltar um ponto que se refere a nossa atitude diante da automatização de tantas coisas. Não podemos perder nossa autonomia para agir e tomar decisões e muito menos sermos dependentes da tecnologia, mas devemos utilizá-la de modo que ela facilite nossas vidas e nos proporcione permanecermos no controle das ações. Máquinas podem falhar, programas computacionais podem dar erros e as situações às vezes podem fugir do controle. Sendo assim, por mais que tudo esteja evoluindo em um ritmo absurdamente rápido e as falhas derivadas deste meio estejam se tornando escassas, não devemos ignorar nossas capacidades e deixar tudo por conta de objetos automatizados.

Não é uma crítica que está sendo feita à tecnologia e suas utilidades. Mas uma crítica a nós mesmos que fazemos uso dela. Ela fará cada vez mais parte de nossos cotidianos, portanto, é fundamental que sejamos conscientes sobremaneira, que façamos seu uso sem perdermos nossa autonomia e, sim, a assegurando-a com o auxílio tecnológico.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *